Luís, Príncipe Imperial do Brasil

Fonte: Monarquia Wiki
Luís
o Príncipe Perfeito
Príncipe Imperial do Brasil
Reinado 30 de outubro de 1908
a 26 de março de 1920
Antecessor(a) Pedro de Alcântara
Sucessor(a) Pedro Henrique
 
Nascimento 26 de janeiro de 1878
  Palácio Isabel, Petrópolis, Brasil
Morte 26 de março de 1920 (42 anos)
  Cannes, França
Sepultado em Capela Real, Dreux, França
Nome completo  
Luís Maria Filipe Pedro de Alcântara Gastão Miguel Gabriel Rafael Gonzaga
Esposa Maria Pia das Duas Sicílias
Descendência Pedro Henrique, Príncipe do Brasil
Luiz Gastão, Príncipe Imperial do Brasil
Pia Maria, Condessa de Nicolay
Casa Orléans e Bragança
Pai Gastão de Orléans, Conde d'Eu
Mãe Isabel I do Brasil
Religião Catolicismo
Assinatura Assinatura de Luís

Luís, Príncipe Imperial do Brasil (Palácio Isabel, Petrópolis, 26 de janeiro de 1878Cannes, França, 26 de março de 1920) foi o herdeiro do trono brasileiro até sua morte. Nascido no Brasil durante o reinado de seu avô, como o segundo filho do príncipe Gastão, Conde da Eu, e da imperatriz Isabel I do Brasil. Tornou-se Príncipe Imperial do Brasil em 1908, após a renúncia de seu irmão mais velho, Pedro de Alcântara.

Dom Luiz foi um intelectual, escritor, viajante, alpinista e militar. Publicou vários livros de viagem, com observações sobre a política, a sociedade e a história dos países que visitou, como a África, a Índia e os Estados Unidos. Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e recebeu prêmios da Academia Francesa e da Societé de Geographie de France. Sua obra mais importante foi Sous la Croix-du-Sud (Sob o Cruzeiro do Sul), publicada em 1911, na qual narrou sua viagem ao Brasil em 1907, quando foi impedido de desembarcar pelas autoridades republicanas.

Dom Luiz casou-se em 1908 com a princesa Maria Pia de Bourbon-Sicílias, filha do conde de Caserta e neta do rei Fernando II de Nápoles. O casal teve três filhos: Dom Pedro Henrique, Dom Luiz Gastão e Dona Pia Maria. Como Príncipe Imperial, Dom Luiz defendeu a causa monárquica no Brasil, publicando manifestos em favor do federalismo, do serviço militar obrigatório e da melhoria das condições dos operários.

Tendo participado da Primeira Guerra Mundial como voluntário no Exército Britânico, mas contraiu uma doença óssea que o deixou debilitado e paralítico. Faleceu em 1920, aos 42 anos, de uma congestão pulmonar, em Cannes, na França. Foi sucedido como Príncipe Imperial por seu filho mais velho, Dom Pedro Henrique, que se tornou o chefe da Casa Imperial do Brasil.

Nascimento e infância[editar | editar código-fonte]

Luís nasceu em Petrópolis em 26 de janeiro de 1878, filho do príncipe Gaston d'Orléans, conde d'Eu, e de Isabel, então princesa imperial do Brasil. Seus avós maternos eram Pedro II, imperador do Brasil , e a princesa Teresa Cristina das Duas Sicílias, enquanto seus avós paternos eram o príncipe Luís, duque de Nemours, e a princesa Vitória de Saxe-Coburgo e Gotha . Ele recebeu o nome de seu avô paterno. Seu nome completo era Luís Maria Filipe Pedro de Alcântara Gastão Miguel Rafael Gonzaga. Como o segundo filho mais velho da herdeira do trono imperial do Brasil, não se esperava que um dia ascendesse ao trono.

Personalidade[editar | editar código-fonte]

Desde muito jovem demonstrou uma personalidade forte e determinada> Durante uma viagem à Europa com sua família, ocorreu um terremoto em 23 de fevereiro de 1887, e enquanto seu irmão mais velho, Pedro, parecia muito nervoso e chorava, Luís simplesmente manteve a calma e não demonstrou emoções. As diferenças entre ele e seu irmão mais velho eram bem conhecidas. Seu pai escreveu em carta datada de fevereiro de 1889 que Pedro era "tão incapaz e descuidado nisso" [jogar sinuca com Pedro II] "como em tudo mais". Embora Pedro fosse meigo e simpático, não gostava de estudar e era muitas vezes desajeitado, enquanto Luís tinha uma vontade forte, era ativo e aparentemente inteligente.

Gastão afirmou em outra carta, escrita em março de 1890, que "o menino Pedro [foi] sempre notável pela preguiça e inépcia", enquanto "Luís faz o mesmo curso sozinho com distinção e capacidade admiráveis". O príncipe desde muito cedo demonstrou o interesse pela literatura que resultaria na sua autoria de vários livros sobre as suas viagens pelo mundo, como Dans les Alps, Tour d´Afrique , Onde quatro impérios se encontram e Sob o Cruzeiro do Sul.

Luís sempre foi impelido à ação graças ao seu espírito inquieto que o levaria na infância ao esporte e quando adulto à política. No auge da campanha pela abolição da escravatura no Brasil , ele e seus irmãos publicaram um jornal abolicionismo no palácio de Petrópolis. Quando ocorreu o golpe que substituiu a monarquia pela república, em 15 de novembro de 1889, Isabel preferiu enviar os filhos para Petrópolis, onde mais tarde Luís lembraria que "trancados no palácio, eles nos deixaram durante dois longos dias na mais completa ignorância do que estava acontecendo lá fora" até que foram mandados de volta para seus pais e depois partiram para o exílio forçado. Como não haviam podido levar nada consigo, a não ser alguns objetos pessoais que pudessem carregar com as mãos, a família imperial viu-se em situação financeira precária, agravada pela recusa de D. Pedro II em aceitar os cinco mil contos de Réis oferecidos inicialmente pelo novo governo republicano. Em dezembro de 1889, o governo suspendeu a renda da família no Brasil.

Em 1890, Pedro, de quinze anos, Luís, de treze, e seu irmão mais novo, Antônio (apelidado de "Totó"), mudaram-se com os pais para os arredores de Versalhes. Após a morte de Pedro II em 1891, os monarquistas fizeram vários esforços para restaurar a monarquia no Brasil. No entanto, nenhum membro da família imperial forneceu qualquer tipo de ajuda ou mesmo palavras de apoio explícito. O irmão mais velho de Luís, Pedro, atingiu a maioridade em 1893, mas não tinha capacidade nem vontade de assumir a causa monárquica. No mesmo ano partiu para Viena, capital do Império Austro-Húngaro, para estudar na escola militar de Wiener Neustadt. Segundo a própria mãe era "claro que tinha de fazer alguma coisa e a carreira militar parece-nos a única que deveria seguir". Luís e seu irmão Antônio seguiram o irmão mais velho na mesma escola militar.

Maioridade[editar | editar código-fonte]

Em 1896, Pedro estava apaixonado pela nobre austro-húngara condessa Elisabeth "Elsi" Dobržensky. Enquanto isso, Luís era ambicioso e ativo, ansioso para deixar sua marca no mundo. Ele era um montanhista e escalou o Mont Blanc em setembro de 1896. Ele viajou para o sul da África, Ásia Central e Índia, e mais tarde escreveu e publicou relatos de viagem de suas experiências. Luís era visto por seus pais como o único membro da família imperial capaz de ajudar o movimento monárquico no Brasil.

Após retornar à França em 1907, planejou um ambicioso projeto para desafiar o decreto de banimento da família imperial do Brasil com uma viagem ao Rio de Janeiro. Sua chegada repentina, amplamente comentada nos jornais, gerou alvoroço na antiga capital imperial. Também causou dificuldades para os políticos brasileiros ao colocar a família imperial no centro das atenções e muitos brasileiros foram recebê-lo. No entanto, Luís foi impedido de desembarcar e não foi autorizado a pisar em sua terra natal pelo governo republicano. Mesmo assim, enviou à mãe um telegrama dizendo: "Impedido de desembarcar pelo Governo, saúdo o Redentor dos Escravos na baía de Guanabara na véspera do dia 13 de maio". Algum tempo depois, ele escreveu sobre suas experiências nessa viagem no livro Sob o Cruzeiro do Sul (Sob o Cruzeiro do Sul), publicado em 1913.

Noivado[editar | editar código-fonte]

Luís ficou noivo de sua prima, a princesa Maria Pia de Bourbon-Duas Sicílias, neta de um irmão da avó materna de Luís, a imperatriz Teresa Cristina. Enquanto isso, seu irmão Pedro, então herdeiro de Isabel, desejava se casar com Elizabeth Dobržensky. Sua mãe desaprovava o casamento porque Elizabeth fazia parte da pequena nobreza e não da realeza. Isabel concordou em aceitar o casamento com a condição de que Pedro renunciasse ao cargo de herdeiro. Pedro não tinha interesse em se tornar imperador e por isso renunciou aos seus direitos à sucessão em 30 de outubro de 1908.

Eu, o Príncipe Pedro de Alcântara Luís Filipe Maria Gastão Miguel Gabriel Rafael Gonzaga de Orléans e Bragança, tendo refletido com maturidade, resolvi renunciar ao direito que, pela Constituição do Império do Brasil, promulgada em 25 de março de 1824, me confere a Coroa daquela nação. Declaro, portanto, que por minha livre e espontânea vontade renuncio, em meu próprio nome, bem como de todos e quaisquer de meus descendentes, a todos e quaisquer direitos que a referida Constituição nos confere à Coroa e ao Trono Brasileiros , que passará para as linhas que se seguem à minha, conforme a ordem de sucessão estabelecida no artigo 117. Diante de Deus, prometo, por mim e por meus descendentes, manter a presente declaração. Cannes 30 de outubro de 1908 assinado: Pedro de Alcântara de Orléans-Braganza

Essa renúncia foi seguida por uma carta de Isabel aos monarquistas no Brasil:

9 de novembro de 1908, [Castelo da] Eu

Excelentíssimos Senhores Membros do Diretório Monárquico,

De todo o coração agradeço as felicitações pelos casamentos dos meus queridos filhos Pedro e Luís. Luís' aconteceu em Cannes no dia 4 com o brilho que se deseja para um ato tão solene na vida do meu sucessor no Trono do Brasil. Fiquei muito satisfeito. A de Pedro terá lugar no próximo dia 14. Antes do casamento de Luís assinou a sua renúncia à coroa do Brasil, e aqui vos envio, ficando aqui cópia idêntica. Creio que esta notícia deva ser divulgada o quanto antes (os senhores farão da forma que julgarem mais satisfatória) para evitar a formação de partidos que seria um grande mal para nosso país. Pedro continuará a amar a sua pátria, e dará todo o apoio possível ao irmão. Graças a Deus eles são muito unidos. Luís empenhar-se-á activamente em tudo o que diga respeito à monarquia e ao bem da nossa terra. Porém, sem abrir mão dos meus direitos, quero que ele esteja a par de tudo para que se prepare para o cargo que, de todo o coração, desejo que um dia ocupe. Você pode escrever para ele quantas vezes quiser para que ele seja informado de tudo. Minha força não é a mesma de antes, mas meu coração continua o mesmo para amar minha pátria e todos aqueles que tanto se dedicam a nós. Dedico-te toda a minha amizade e confiança, Você pode escrever para ele quantas vezes quiser para que ele seja informado de tudo. Minha força não é a mesma de antes, mas meu coração continua o mesmo para amar minha pátria e todos aqueles que tanto se dedicam a nós. Dedico-te toda a minha amizade e confiança, Você pode escrever para ele quantas vezes quiser para que ele seja informado de tudo. Minha força não é a mesma de antes, mas meu coração continua o mesmo para amar minha pátria e todos aqueles que tanto se dedicam a nós. Dedico-te toda a minha amizade e confiança.

O casamento de Luís e Maria Pia foi celebrado a 4 de novembro em Cannes , e o de Pedro e Isabel dez dias depois em Versalhes. Da união de Luís e Maria Pia nasceram três filhos: Pedro Henrique , que se tornou o sucessor direto da Imperatriz Isabel e Chefe da Casa Imperial do Brasil após sua morte em 1921; Luís Gastão, e Pia Maria. Isabel não demorou a revelar sua opinião sobre os netos e escreveu em carta de 1914: "Mando em anexo uma fotografia minha com meus netos de Luís. Pedro Henrique está crescendo continuamente e é uma criança muito inteligente. um amor particular por seus queridos netinhos."

Atividade política[editar | editar código-fonte]

Com a renúncia ao trono por parte do irmão, Luís pôde finalmente colaborar efetivamente com o movimento monárquico brasileiro, assumindo claramente sua posição de herdeiro do trono (depois da mãe) e tentando assumir a liderança da campanha de restauração. Seus esforços para reverter os danos causados ​​pela inércia da família imperial foram valorizados por seus partidários, e em 1909 ele apresentou um manifesto político aos monarquistas brasileiros com a intenção de reiniciar a campanha paralisada. Teve algum sucesso ao conseguir congregar correligionários em vários estados do Brasil. Algumas das cartas do príncipe revelam seus planos para restaurar a monarquia, como a escrita para Martim Francisco de Andrada III:

"me custa tanto estar aqui de braços cruzados, quando penso que um punhado de homens determinados bastaria para arrancar nossa Pátria das garras dos aventureiros que a exploram". "Ainda não sei qual será a vossa atitude em relação às candidaturas. Quanto a mim, julgo 'indesejáveis' ambos os candidatos; mas como temos de escolher, escolheria o Rui" [Barbosa]", cujos partidários representam o elemento mais razoável e com maior prestígio no País. Parece-me que poderíamos aproveitar o momento para um acordo com os membros deste grupo a fim de obter um esforço comum para a restauração logo após as eleições presidenciais . Quais são seus pensamentos sobre isso?"

O príncipe esteve na ativa de 1907 até sua morte em 1920, e defendeu o federalismo, o serviço militar obrigatório e a melhoria da qualidade de vida dos trabalhadores. No primeiro caso, ele era a favor de maior descentralização e liberdade econômica e política para os estados brasileiros. Na segunda, refutou o antigo costume de alistamento nas Forças Armadas baseado em indivíduos provenientes apenas de determinados setores da sociedade em favor de uma força militar verdadeiramente profissional formada por elementos de todas as camadas da sociedade. O terceiro e mais importante caso foi sua proposta de uma monarquia apoiada em uma legislação social que possibilitasse melhores condições aos trabalhadores brasileiros.

Luís defendia ideias muito à frente de seu tempo e a necessidade de garantir condições dignas de subsistência aos trabalhadores brasileiros só seria observada trinta anos depois, durante a ditadura de Getúlio Vargas . No início do século XX, nem o governo nem os políticos brasileiros admitiam sequer a possibilidade de direitos básicos como férias, direito à greve, jornada máxima semanal de trabalho, entre outros. Ele disse que "nós, monarquistas, devemos convencer os trabalhadores de que a verdade é que em caso de restauração a situação deles só poderia melhorar". [25]A visão progressista de Luís o tornava alvo de acusações de "socialista" e "radical" quando, na verdade, sua intenção era impedir a adesão da força de trabalho ao socialismo, ao comunismo ou mesmo ao anarquismo

Primeira Guerra Mundial e últimos anos de vida[editar | editar código-fonte]

O início da Primeira Guerra Mundial em agosto de 1914 e a invasão da França pela Alemanha permitiram a Luís provar mais uma vez o seu idealismo e ativismo, pois, nas suas próprias palavras, era um “soldado de alma e coração”. Ele e seu irmão Antônio queriam defender a pátria de seus ancestrais. Como era proibido por lei servir nas forças armadas francesas, ambos se alistaram nas forças armadas britânicas como oficiais. Luís entrou para o exército enquanto Antônio serviu como piloto da força aérea.

Doença e morte[editar | editar código-fonte]

Enquanto lutava nas trincheiras da Flandres em 1915 Luís contraiu um tipo agressivo de reumatismo ósseo que o deixou muito debilitado e incapaz de andar. O príncipe foi invalidado fora do serviço ativo gravemente doente e levado para a segurança, a fim de poder se recuperar da doença. Como consequência da sua actuação no conflito e pela sua bravura, Luís recebeu várias condecorações: Medalha Militar de Yser, do Rei Alberto I da Bélgica; Legião de Honra , no grau de cavaleiro, e a Cruz de Guerra do governo francês; a British War Medal , a Victory Medal e a Star da Grã-Bretanha.

A grave doença contraída nas trincheiras mostrou-se resistente a todos os tratamentos e sua saúde foi se deteriorando gradativamente até sua morte em 26 de março de 1920. Como sua mãe viveu até 1921, seu sucessor na pretensão ao trono do Brasil foi seu neto, Pedro Henrique, filho de Luís.

Legado[editar | editar código-fonte]

O príncipe Luís é praticamente desconhecido dos brasileiros hoje. Ele é lembrado por seu papel como pretendente ao trono brasileiro a partir de 1908 e esteve publicamente envolvido na campanha pela restauração da monarquia. Ele continuou a ter um papel ativo nos movimentos monarquistas até a Primeira Guerra Mundial.

Seu apoio ao bem-estar social da classe trabalhadora brasileira, numa época em que era considerado "caso de polícia" pelos governantes da Primeira República brasileira, valeu-lhe o epíteto de "príncipe perfeito" ou, nas palavras de Rei Alberto I da Bélgica: "homem como poucos, príncipe como nenhum".

Em 1918, os luso-brasileiros Rodolfo Smith de Vasconcelos, e seu filho, Jaime Smith de Vasconcelos, publicaram o Arquivo Nobiliárquico Brasileiro , obra que documenta a nobreza brasileira. Os autores dedicaram a obra a Sua Alteza Imperial, Dom Luiz de Orléans-Braganza.

A Prefeitura de Pimenta Bueno, no Estado de Rondônia (Brasil), homenageou Dom Luís e toda a família imperial brasileira em 2010 ao renomear uma de suas ruas como "Príncipe Dom Luiz de Órleans e Bragança".

Títulos, estilos e honras[editar | editar código-fonte]

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 26 de janeiro de 1878 – 30 de outubro de 1908: Sua Alteza o Príncipe Luís do Brasil
  • 30 de outubro de 1908 – 26 de março de 1920: Sua Alteza Imperial o Príncipe Imperial do Brasil

Honras[editar | editar código-fonte]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Por sua esposa, a princesa Maria Pia de Bourbon-Duas Sicílias (12 de agosto de 1878 - 20 de junho de 1973):

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]